Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Granjinha/Cando

e Vale de Anta... factos, estórias e história.

Granjinha/Cando

e Vale de Anta... factos, estórias e história.

História e Estórias...(cont.)

18
Abr12

               A Granginha -   Vista parcial de estruturas - Enterramento medieval sobre as estruturas romanas.      

 

   No que respeita a estruturas, diferenciam-se os inícios de dois âmbitos que parecem corresponder a outras tantas construções separadas entre si por um corredor de uns 60 cm de largura, interrompido de distância em distância por muretes transversais de apoio. Um dos âmbitos, o oriental, mostra uma esquina perfeitamente definida, sendo as suas paredes grossas, de uns 70 cm de largura, construídas com cortinas de silharejos perfeitamente esquadrados e assentes, comprimindo um entulho de opus caementictum. Do ocidental tão só se observa a presença da cortina exterior de uma das paredes de pedra, que mostrava as mesmas características arquitectónicas e robustez das suas vizinhas.

  

   A primeira das instâncias apresentava postes graníticos de apoio rectangulares, por vezes de secção tronco-piramidal, alguns deles todavia erectos e alinhados sobre um solo perfeitamente pavimentado com capa de argamassa, bem como outros removidos do seu lugar originário e encostados aos anteriores.

   

    Em face do exposto, a mencionada estância oferece duas possibilidades de interpretação: ou como hipocasto, com suspensurae de uma só peça, função que se viria confirmar pelos fragmentos de mosaico pertencentes ao seu possível solo de recobertura, ou como apoios de um solo de horreum (celeiro), facilitando  por sua vez a circulação do ar, como também sugerem os reforços laterais projectados contra o muro do segundo edifício que, em tal hipótese, pôde ter sido outra edificação das mesmas características e finalidade.

 

    O paralelo mais próximo, ainda que de maiores dimensões, achar-se-ia no pouco afastado acampamento de Aquis Querquennis não faltando tão-pouco em áreas mais distantes.

 

   Na época alto-medieval, talvez, e quando as edificações se achavam totalmente arruinadas, foi compartimentado o estreito espaço de separação entre edifícios para realizar enterramentos no dito lugar, como necrópole da vizinha capela, nalgum dos quais se percebem, no entanto, ladrilhos de assento e restos ósseos (figuras). Pouco mais se pode dizer, salvo que a excelente qualidade das estruturas está de acordo com a importância dos restos arqueológicos e epigráficos, com anterioridade conhecidos.

 

In, Aquae Flaviae II. O tecido urbanístico da cidade romana - António Rodriguez Colmenero